quinta-feira, 16 de março de 2017

Aqui seu FGTS rende mais!

E foi dada a largada para os saques das contas inativas do FGTS, por sinal, ótima sacada do atual governo. É muito dinheiro sendo colocado em circulação e fazendo despertar o espírito consumista das pessoas.

Vindo para casa do trabalho essa semana, uma loja me chamou a atenção com a seguinte frase em uma placa gigante na frente do estacionamento: “Aqui seu FGTS rende mais”!

O primeiro pensamento que eu tive foi de que eles deveriam ser processados por propaganda enganosa. Mas depois analisando friamente percebi que realmente é possível seu FGTS render mais em uma loja dessas. Para isso acontecer é necessário que aconteça alguma das situações abaixo:

§     Você compra os produtos para revender por um valor mais alto.

§     Você compra uma batedeira de bolo, um cortador de grama, uma máquina de cortar cabelo, etc. que irão te ajudar a ter uma renda extra.
  
§     Ou então, olhamos com outro foco, onde seu FGTS vai render mais lucro para a loja (acho esse o foco correto).

No fundo a loja está correta, cada um luta com as armas que tem e se eles não venderem, também não sobreviverão nesse mercado.

O que me deixa triste é que ao comentar esse assunto no meu trabalho, percebi que algumas pessoas realmente estão esperando sacar o FGTS para comprar um celular novo, uma TV e um até pensa em trocar de carro.

O problema não está na loja que coloca a cenoura na frente do burrinho, o problema está no burrinho que não percebe por que a cenoura está ali para obriga-lo a andar.

O FGTS é uma garantia para o futuro que recebemos como direito e em caso de demissão sem justa causa podemos sacar. São raras as situações que temos a oportunidade de sacar sem estar desempregado (que no fundo é o principal motivo da sua existência para o funcionário), portanto, quando acontece o correto é aproveitar e investir em alguma coisa para continuar rendendo, só que com uma rentabilidade maior e não sair gastando em qualquer coisa.


Quem tem a oportunidade deve com certeza sacar e investir em outra coisa. Bons investimentos não faltam, apenas não estamos falando das revendas de carros, lojas de móveis ou celulares!

terça-feira, 7 de março de 2017

Eu amo meu dinheiro!

Hoje eu não tenho vergonha em usar exatamente as palavras acima para descrever o que eu sinto em relação ao dinheiro. Eu me sinto realizada quando faço o balanço patrimonial no final de cada mês ou quando faço o aporte mensal. É gratificante ver os valores aumentando. Eu sei que isso significa que as metas que propus para mim mesma estão sendo realizadas e o melhor, sem sacrifícios.

Muitos diriam que felicidade é estar com a família, ou viajar para algum lugar diferente ou ainda ver seu time do coração ser campeão, sim, isso realmente nos dá momentos feliz, mas me sinto feliz quando faço os cálculos mensais e vejo que mesmo sem aporte, sempre tem um dinheirinho dos rendimentos entrando. Pra mim, isso também é felicidade.

Já ouvi: Ahh, mas amar o dinheiro é pecado, você vai virar escrava do dinheiro.

Amar o dinheiro e se importar com ele não é pecado e não significa que você é um escravo. Quem ama cuida. Quando se ama alguma coisa não se desperdiça, e ninguém deveria desperdiçar esse bem que é tão difícil de conseguirmos.

Não é muito bom saber que existe o famoso “juro composto” e principalmente, saber como ele pode trabalhar a seu favor? Eu já incentivei meus alunos de várias turmas para iniciarem o processo de poupança com 10 até 50 reais, mostrei o poder dos juros compostos e mesmo assim, a maioria não tem nem a sua reserva de emergência. Aí chega o desemprego, o dinheiro acaba, a depressão vem e a dúvida: Quem é escravo do dinheiro agora?


Estou começando minha jornada agora, mas o que me motiva a continuar é saber que a cada dia que passa eu aprendo mais, eu busco novas formas de renda e eu procuro ser uma pessoa melhor. Posso morrer amanhã e nem aproveitar os resultados dos meus esforços, é por isso que tento me divertir no percurso, fazer com que economizar não seja um pesadelo, mas sim seja visto como veem o trabalho, pode ser bom ou ruim ir trabalhar, só depende de como você vê o seu trabalho. 

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Planos para 2017

Quem nunca começou um novo ano fazendo uma análise da própria vida e percebendo que tem mil coisas que gostaria de mudar?

Pois é, isso é comum! Nós seres humanos normais fazemos isso mesmo. E pior, passamos aquele ano inteiro nos preocupando com muitas outras coisas e quando vamos fazer um levantamento, percebemos que não fizemos as coisas que tínhamos nos proposto no início do ano. Para reduzir o meu índice de fracasso, reduzi o número de objetivos para cada ano, antigamente eu tinha 20, agora são no máximo 5.

Esse blog também foi criado como uma forma de motivação e disciplina para os meus objetivos de ano novo. Ficará estranho se eu ficar falando sobre poupar e investir e não pôr em prática, então, a ideia é manter meus hábitos financeiros em dia e assim ter assunto para colocar no blog.

Ok. Vamos lá! Descrevo agora meus objetivos para 2017. Não são apenas financeiros, mas correlacionados. Fiz meu Planejamento Estratégico Pessoal e de lá trouxe os principais objetivos que determinei para 2017, além dos objetivos, desdobrei cada um em várias metas e já fiz um levantamento de custos para cada. Isso permite que eu tenha mais chances de realizar e não abandone tudo no meio do caminho.

Objetivos:
·                    Poupar R$ 28.000,00 – esse objetivo é extremamente audacioso, para conseguir terei que viver uma vida vem frugal.

·                    Ler 36 livros técnicos – chamo de livros técnicos aqueles que acrescentam algo na minha vida profissional, exemplo de temas: finanças, economia, engenharia e empreendedorismo.

·                    Voltar às aulas de Inglês – abandono muito fácil as minhas aulas, esse ano preciso pegar firme.

·                    Aprender mais sobre investimento em ações – estou iniciando em ações e ainda tenho muito o que aprender, em 2017 meu foco será o swing trade e a maior parte buy and hold.

Gostei muito dos meus objetivos para o ano, e acredito que conseguirei realizá-los. Mas mesmo que não consiga, o importante é o caminho a ser percorrido até a conquista do resultado. Muitos erros e acertos acontecerão, no entanto a aprendizagem será, com certeza, mais rica.

Sempre recomendo que as pessoas façam uma lista de sonhos para o ano, quando os desejos estão no papel é muito mais fácil de buscar pois você os conhece e pode planejar como fará para alcançá-los. Eu gosto muito de viajar, mas infelizmente esse ano não poderei fazer uma viagem, pois o objetivo de poupar 28 mil não permitirá. Mas eu não fico triste, pois estou abrindo de mão de um sonho para realizar outro. Esse é o segredo da vida, equilíbrio!



segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O primeiro passo para sair da poupança

O que nos impede de abandonar a poupança?

Para quem está iniciando nos investimentos, a resposta para esta pergunta seria o MEDO. Sim, o medo de perder meu tão suado dinheirinho. Sabemos que qualquer investimento tem seus riscos, alguns menores e outros maiores. A poupança é o menos arriscado, além de ser simples. Então, por que cargas d’água eu deveria complicar minha vida, tirando meu dinheiro da poupança para colocar em um investimento onde eu posso perder tudo?

Boa pergunta... eu também tive esse receio.

Pra mudar isso na minha vida eu li muitos livros, blogs e sites que falam muito sobre o Tesouro Direto, foi assim que perdi o medo e mudei minha forma de investir. Eu não lembro agora qual foi o primeiro site que vi falar sobre isso, mas me marcou a frase; “no tesouro direto você empresta seu dinheiro para o governo, se o governo quebrar e te dar o calote, o que você acha que aconteceu com os bancos antes disso? Seu dinheiro na poupança já era”. (Era mais ou menos isso...:)

Pesquisei muito antes de abrir a minha conta em uma corretora, infelizmente eu não tinha um parente ou amigo já tivesse passado pelo caminho das pedras para me dar umas dicas, me virei sozinha. Descobri uma corretora que não cobrava taxas para o TD, transferi um valor bem pequeno para teste, mas gostei tanto que em 3 meses não tinha sobrado nada na poupança. Até a reserva de emergência está em Tesouro Selic.

É claro que não foi tudo perfeito, eu perguntei coisas ridículas no chat da corretora porque não achava a resposta em outro lugar, eu fui falar com meu gerente do banco, tentei investir por lá e não deu certo. O importante é não desistir e encontrar um ponto onde o simples fato de investir não seja um fardo, mas algo gostoso, eu adoro ver minhas contas aumentando.

Pouquinho é claro, mas aumentando! 

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

A poupança é um bom investimento?


Inevitavelmente nosso primeiro investimento é a poupança. Aprendemos desde cedo o que é a poupança, vemos propaganda na televisão dos poupançudos da Caixa e alguns já no seu primeiro salário fazem o primeiro aporte.

O problema é que essa modalidade de investimento não é lá grande coisa. Na maioria dos casos, o rendimento da poupança não cobre a inflação do período. Ou seja, seu dinheiro está rendendo alguma coisa, mas esse rendimento somado ao capital que foi depositado não compra mais as mesmas coisas que comprava no momento em que foi aplicado. Os preços sobem e isso devemos à inflação.

O papel da inflação nos nossos investimento é um tema complicado. Eu já estou investindo regularmente há mais de 3 anos e mesmo assim ainda me perco na hora de calcular o rendimento real dos meus investimentos, considerando a inflação prevista. Mas esse é um detalhe que devemos nos preocupar conforme nosso conhecimento vai avançando. Quando entendi apenas um pouco sobre a inflação, já foi possível perceber que meu dinheiro não estava aumentando na poupança em comparação aos preços dos produtos em geral, foi onde a busca por novas formas de investir começou.

Todas as informações que vemos na televisão, nos sites de bancos, por intermédio do gerente da conta do banco nos mostra a poupança como algo incrível.  E ela não deixa de ser mesmo incrível. Para quem não sabe como fazer de outra forma, o simples fato de investir na poupança é muito mais do que a maioria dos brasileiros faz. O mais comum é não ter nada guardado, muito pelo contrário, o normal é ter financiamentos, dívidas e estourar o cartão de crédito todo mês.

Por isso, se você não tem outra opção ou não conhece outro investimento, comece com ela mesmo, com o tempo vá estudando outras formas de investir e assim busque opções melhores.

Eu sempre falo para meus alunos guardarem uma parte dos salários todo mês na poupança. É assim que a mentalidade poupadora vai sendo desenvolvida. Quando o valor economizado por mês é pequeno, o foco não é o retorno do investimento, mas sim o costume de poupar. Dá pra começar com 20 ou 30 reais e ir aumentando com o tempo.


A poupança não é o melhor investimento, mas com certeza, é melhor que nada. 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O início de Tudo!

Iniciar uma vida financeira saudável é muito difícil! É muito mais fácil não controlar os gastos, não pensar duas vezes antes de comprar alguma coisa, viajar sempre ou encher quem a gente gosta de presentes. No entanto, no longo prazo, esse comportamento prejudica nosso desenvolvimento pessoal e até nossa saúde.
Eu fui educada por um poupador, sempre vi meu pai economizando o que dava e colocando tudo na poupança. Claro que, isso não fez dele um homem rico, mas foi o suficiente para não depender dos filhos quando se aposenta com apenas um salário mínimo. Ou seja, ser poupador é importante, mas não é tudo.
Quando adolescente eu não entendia isso muito bem, comecei a ganhar meu dinheiro aos 13 anos e claro, gastava tudo. Queria comprar as coisas que meu pai não tinha conseguido me dar. Fui seguindo assim até os 20 anos. Com essa idade, arrumei um segundo emprego, e esse salário comecei a guardar na poupança (dava aulas em um cursinho, gerava uma renda de 150,00). Nessa época, também foi possível sacar meu FGTS e coloquei esse dinheiro também na poupança. Tudo ia bem, mas ganhar trinta reais por mês na poupança não me deixava animada.
As coisas mudaram quando eu fiz 25 anos. Eu continuava gastando muito, guardando pouco e não tinha nada na vida, nem casa, nem carro, nem dinheiro. Decidi fazer diferente. Comecei controlando os gastos e cortando muitos supérfluos. Foi horrível! Tudo era muito difícil, a vontade de gastar era grande e não sobrava muito para guardar na poupança. Os passos para aumentar as reservas eram de formiga e a vontade de desistir grande.
Em 2014 veio uma mudança significativa, conheci alguns sites na internet que mudaram minha visão de guardar dinheiro, e em 2015 comprei meu primeiro Título do Tesouro. Depois disso tudo melhorou, cada vez eu consigo economizar mais e meus investimentos vão melhorando mês a mês.
Atualmente vejo vários blogs e sites sobre finanças. Os meus preferidos são os blogs pois tem bastante conteúdo mesmo sendo informais. Essa troca de experiência é muito importante, os textos de cada blog nos trazem novas ideias, o que deu certo e deu errado com cada um. É sempre um aprendizado. E para quem escreve também é importante, pois te deixa mais motivado e disciplinado para atingir as metas traçadas.
É exatamente por isso que estou aqui!